Monetização de dados: o que você precisa saber sobre o tema

6
 min de leitura

A monetização de dados possui uma relação direta com o data driven, fazendo empresas transformarem dados em inteligência. Para entender melhor essa relação, confira o conteúdo!

 Monetização de dados: o que você precisa saber sobre o tema

Para ter valor, um dado precisa passar por várias etapas. Cabe à empresa estruturar todo o caminho que ele vai trilhar até ser aproveitado como fonte de informação e conhecimento e, principalmente, gerar receita. Essa é, justamente, a proposta da monetização de dados, que tem uma relação direta com o diferencial competitivo do negócio e satisfação dos clientes.

Nesse sentido, é suma importância que a companhia implemente uma cultura orientada por dados. Portanto, planejar e organizar a jornada de dados na empresa é a chave para que ela se destaque no mercado e mantenha sua longevidade.

Continue a leitura para entender como implementar a monetização de dados no seu negócio!

O que é monetização de dados?

A monetização de dados consiste em aproveitar os registros internos e externos da empresa para a geração de valor a partir deles. Com base em comentários de consumidores em redes sociais, por exemplo, é possível fazer várias inferências, como criar novos produtos ou aprimorar os que já existem, visando promover maior satisfação ao cliente.

É plausível associar a origem da monetização de dados com a do Big Data. O conceito de aproveitar dados para gerar conhecimento é bastante antigo, sendo aplicado pelos britânicos na segunda guerra mundial. O intuito deles era saber como os nazistas planejavam fazer os seus ataques, por meio de um sistema de decodificação de mensagens.

O termo "Big Data" foi criado em 1997, mas só passou a ser usado oficialmente no ano de 2005. Hoje, além do Big Data, existe uma tendência chamada Small Data, que considera uma amostra menor de dados, com foco na qualidade (e não na quantidade) dos registros. Como consequência, soluções de Machine Learning, por exemplo, tendem a surgir e ajudar as empresas das mais variadas formas.

Entenda como funciona

Basicamente, há dois tipos de monetização de dados:

  1. monetização direta, de âmbito interno, que serve para aprimorar algum processo ineficiente, reduzir custos operacionais ou desenvolver novos produtos ou serviços;
  2. monetização indireta, voltada para o ambiente externo à empresa, que visa promover interoperabilidade de dados e conhecimento, inclusive entre companhias concorrentes.

Para deixar claro, o intuito de promover essa integração aberta é melhorar e personalizar produtos e serviços para os clientes. Obviamente, esse intercâmbio de informações ocorre de modo seguro e em observância às legislações vigentes — principalmente a LGPD.

Como ela se relaciona com a cultura data driven?

Há uma relação estreita entre monetização de dados e cultura data driven. Em uma empresa, é preciso ter pessoas capazes de interpretar todas as informações apresentadas em um dashboard, visando encontrar tendências de mercado, padrões e correlações entre os dados.

Na prática, isso só é possível quando o colaborador está acostumado a ter um olhar mais analítico, sendo algo que precisa ser incorporado à cultura organizacional.

O oposto de uma empresa data driven é uma companhia cujos gestores se baseiam quase sempre no passado para projetar o futuro. Em outras palavras, as análises de dados nessa companhia não costumam ser realizadas em tempo real, de modo que muita informação útil e valiosa tende a se perder.

Não obstante, há uma tendência a somente observar os chamados dados estruturados, como as vendas e o faturamento do negócio. Alguns aspectos mais subjetivos acabam ignorados, como as emoções e a satisfação do consumidor.

O tratamento adequado dos dados não-estruturados é de suma importância, por exemplo, para uma empresa aprimorar produtos e personalizar o atendimento ao cliente.

Fique por dentro das tendências

Em um evento chamado Semantix Data Summit, realizado em 2022, foram abordadas várias questões, a exemplo do aumento no número de fontes de dados. Hoje em dia, por causa da Internet das Coisas (IOT ou Internet of Things) e da computação em nuvem, há uma infinidade de dispositivos capazes de gerar dados.

Além dos celulares, podemos citar os sensores — amplamente usados no segmento industrial — , visto que captam registros em tempo real. Esses registros são processados rapidamente e transformados em informações.

Alguns dados apresentados no evento que merecem atenção são:

  • organizações data driven estão crescendo em média, anualmente, em cerca de 30%;
  • 68% das organizações se consideram ainda inaptas para gerar valor a partir dos seus dados;
  • apenas 28% dos consultados em uma pesquisa afirmaram ter uma estratégia focada em dados.

O Grupo Hospital Care foi bastante beneficiado pelo uso de uma solução da Semantix chamada SDP Data Platform. Basicamente, ela é uma aliada para o negócio em busca de se aprimorar em Data Science, de modo a resolver ineficiências operacionais internas e estar sempre a par das tendências do mercado.

Quais os caminhos para a monetização de dados?

Para além da inserção de dados em uma jornada para a obtenção de valor e receita, a monetização pode ocorrer de modo direto. Nesse cenário, a empresa coleta um conjunto de registros que sejam do interesse de outra companhia, com o intuito de fazer a comercialização direta.

Um exemplo disso é o Google, que vende os dados dos seus usuários para empresas diversas, para que sejam empregados em publicidade direcionada. Contudo, a Big Tech só faz isso mediante o consentimento das pessoas (quando elas aceitam os termos e condições de uso do navegador e demais ferramentas).

Para que uma empresa consiga, de fato, monetizar os seus dados, é crucial que ela tenha um propósito específico. Isso significa definir um objetivo e os indicadores de desempenho adequados, de modo a saber se uma estratégia está sendo eficiente ou não.

Como exemplo, podemos citar um levantamento sobre os fatores que levaram um cliente a desistir de uma compra ou sair da base da empresa. Por meio da coleta, análise e interpretação dos dados, é possível saber, com certa precisão, que fatores influenciam a não retenção dos consumidores.

Outras possibilidades de monetizar dados são:

  • detecção de fraude e pirataria;
  • aumento do retorno sobre o investimento (ROI) no marketing;
  • criar novos modelos de negócios.

A monetização de dados, como vimos, se torna mais viável quando a empresa adota uma cultura data driven. Na prática, é preciso definir um objetivo para o conjunto de dados coletados e estruturar todas as etapas, de modo que esses dados sejam transformados e se tornem úteis na geração de conhecimento e valor ao negócio.

Gostou do post? Leia outros conteúdos do blog e conheça diversas soluções e produtos no site da Semantix!

Compartilhar esse conteúdo: